segunda-feira, 12 de junho de 2017

NÃO É BOMBRIL, MAS TEM 1001 UTILIDADES

VIVENDO E APRENDENDO.

O tema foge um pouco ao nosso convencional, mas eu resolvi abordá-lo mesmo assim, porque muita gente tem esse produto “milagroso” e casa e só o utiliza para repelir umidade e desengripar parafusos.

O email que eu recebi com as dicas que reproduzo a seguir começava dizendo que alguém estava arrancando os cabelos ao ver que seu carro novinho em folha havia sido pichado com tinta em spray, e um vizinho lhe sugeriu remover a pichação com... WD-40. E funcionou: em questão de minutos as inscrições desapareceram e a pintura original da lataria ressurgiu como nova.

Esse produto, que é basicamente um óleo em spray, foi desenvolvido em meados do século passado por técnicos da San Diego Rocket Chemical Company, e teria sido batizado de WD-40 porque somente depois de 40 tentativas o resultado final foi alcançado. Verdade ou não, interessa dizer que, além de facilitar a soltura de porcas e parafusos, o dito cujo serve para:

― Prevenir a oxidação da prata, evitando que objetos feitos desse material fiquem escuros;
― Remover respingos de asfalto da lataria do carro;
― Lubrificar cordas de guitarras;
― Dar brilho a pisos sem deixá-los escorregadios;
― Repelir moscas e mosquitos;
― Limpar e restaurar quadros-negros;
― Remover manchas de batom;
― Remover sujeira e gordura de grelhas de churrasqueiras;
― Ajudar a desembaraçar cordões e bijuterias;
― Remover manchas de pias de aço inoxidável;
― Tirar manchas de tomate de roupas;
― Evitar oxidação em vasos de cerâmica;
― Tirar manchas de portas de box de banheiro;
― Disfarçar arranhões e riscos em pisos de cerâmica e mármore;
― Manter tesouras em boas condições de manuseio;
― Lubrificar dobradiças e fechaduras de portas e assemelhados;
― Remover marcas de sola de sapato do piso da cozinha;
― Remover merda de passarinho da lataria do carro (especialmente do teto e do capô, que são os alvos preferidos das aves quando o veículo fica estacionado debaixo de árvores);
― Lubrificar escorregadores (de playgrounds infantis);
― Eliminar barulhos de balanços (idem);
― Lubrificar trilhos de portas e janelas corrediças (e o mesmo vale para gavetas);
― Lubrificar (e facilitar a abertura) de guarda-chuvas;
― Limpar e restaurar o revestimento dos bancos (de couro, napa, courvin, etc.) e os painéis e consoles plásticos de automóveis (idem para os para-choques);
― Silenciar ruídos estranhos em ventiladores domésticos;
― Lubrificar rodas e catracas de bicicletas;
― Evitar mau contato em placas de circuito e lubrificar ventoinhas dos coolers do computador (só aplique o produto nos componentes internos do gabinete depois de remover totalmente a poeira e outros detritos que se acumulam com o uso normal do aparelho).

ÀS FAVAS COM AS FAVAS!

Se não serviu para mais nada, a palhaçada encenada no TSE ― não vejo outra maneira me referir à estapafúrdia decisão de não aplicar nenhum tipo de punição à chapa Dilma-Temer, a despeito de nunca, em toda a nossa história eleitoral, se viram tantas provas de maracutaias numa campanha ― e capitaneada pelo homem das favas mostrou como Direito e Justiça são coisas distintas e resgatou uma expressão que há muito caiu em desuso, quando, incomodado pelo protagonismo do, ministro Herman Benjamin, o presidente da Corte disparou: “Essa ação só existe graças ao meu empenho, modéstia às favas”.

Favas, como se sabe, são as vagens da faveira ― planta leguminosa cultivada em Portugal ― e, por extensão, às sementes comestíveis que se formam dentro delas. A expressão “favas contadas” ― que alude a um resultado certo, seguro ― remonta às eleições dos abades dos mosteiros medievais, onde os monges votavam colocando favas brancas e pretas na urna, e a apuração era feita mediante a contagem dessas favas (quem recebesse o maior número de favas brancas estaria eleito). “Mandar às favas”, por seu turno, significa algo como “parar de discutir e submeter a julgamento, a pleito, a votação”, mas também corresponde a uma maneira menos deselegante de mandar alguém à merda.

Como bem salientou Roberto Pompeu de Toledo em sua coluna na revista Veja desta semana, o site BBC Brasil rastreou nada menos que oito encontros fora da agenda oficial entre essas duas proeminentes figuras, desde que Temer assumiu a presidência da República até o início de abril. Cinco foram no Palácio do Jaburu, um deles com a presença de outras pessoas, e os demais, até onde se sabe, só entre os dois. Três deles foram num domingo, dia ideal para as conversas descansadas e sem interrupção, como exigem os encontros confidenciais. Numa ocasião festiva ― comemorava-se o aniversário do senador José SerraTemer foi à casa de Mendes, que, noutra oportunidade, também mandou às favas o escrúpulo de viajar com o amigo no avião presidencial. E para dissipar qualquer dúvida sobre a estreita relação entre os dois, ainda há a foto, no dia da posse de Mendes na presidência do TSE, em que ambos mandaram às favas os bons modos e trocaram cochichos com a mão na boca.  

De uma família que domina a política na sua cidade natal (Diamantino, no Mato Grosso), o ministro Gilmar Mendes é o tipo, não propriamente novo, mas sem dúvida aperfeiçoado, no Brasil, do alto magistrado dobrado em ardiloso político. Às favas a Lava-Jato ele não diz abertamente, mas é o que faz na prática ― ao condenar as alongadas prisões de Curitiba ou ao articular, em sociedade com os políticos, medidas legislativas que contenham os ânimos de promotores e policiais. É inútil procurar onde termina o magistrado e começa o político; ambos se imbricam e se confundem. Como versão acabada de juiz político, Mendes é tanto mais eficiente quanto capaz de revestir os ardis políticos da capa do vasto conhecimento jurídico de que, não se discute, é possuidor. Sua excelência encontrou em Herman Benjamin um adversário inteligente e ágil, mas que, nas maquinações da política, está, diante do presidente da Corte, mais ao desamparo do que cego em tiroteio.  

Por essas e outras, está correto dizer que o resultado do julgamento da chapa Dilma-Temer eram favas contadas. Até as pedras portuguesas do Palácio do Planalto sabiam que o placar de 4 votos a 3 pela absolvição era líquido e certo.

E viva o povo brasileiro.

Confira minhas atualizações diárias sobre política em www.cenario-politico-tupiniquim.link.blog.br/
Postar um comentário