segunda-feira, 11 de setembro de 2017

CRONÓGRAFO COM PONTEIROS DESSINCRONIZADOS... (PARTE VI)

O MUNDO É REDONDO, MAS ESTÁ FICANDO MUITO CHATO.

Prosseguindo de onde paramos na postagem anterior, relógios com cronógrafo estão na moda, mesmo que, na prática, pouca gente tire proveito dessa função. Aliás, muitos nem sabem que o cronógrafo é um instrumento usado para medir a passagem do tempo durante períodos curtos, ao passo que o cronômetro é um produto da alta relojoaria, com precisão certificada pelo Contrôle Officiel Suisse des Chronomètres (COSC) ou outro órgão análogo (Selo de Genebra, Certificado Chronofiable, Selo Fleurier Quality Foundation, etc.).

Para obter o certificado do COSC, o fabricante envia à entidade apenas o movimento (em outras palavras, a máquina) a ser testado. Os avaliadores a cada mecanismo um número de identificação e aplicam uma marcação genérica em pontos chaves, para facilitar a leitura de um sensor óptico. Após um período de descanso de 24 horas, o teste é iniciado, e sensor faz as leituras e compara os resultados com servidor controlado por dois relógios atômicos, que proporcionam uma cronometragem padrão. Durante os 10 dias seguintes, o mecanismo é testado em cinco posições diferentes, cada uma por 48 horas: coroa para a esquerda, coroa para cima, coroa para baixo, mostrador para cima e para baixo, sempre a uma temperatura de 23°C. Se a máquina inclui a função de cronógrafo, ela é ativada e avaliada no 10º dia, para ver os efeitos que produz sobre a marcação de tempo padrão. Nos três dias seguintes, o relógio é submetido a variações bruscas de temperatura (de 8°C para 23°C e daí para 38°C. Nos últimos dois dias do teste, a temperatura volta aos 23°C e o movimento é colocado em sua posição original, com a coroa inclinada para a esquerda.

Observação: Em 2012, a organização suíça emitiu 1,73 milhão de certificados sendo que 85% deste montante foram divididos entre a Rolex, Omega e Breitling.

A título de curiosidade, a resistência à água é aferida através de um teste que dura 2 horas ― com o relógio montado, naturalmente ―, e começa com a verificação da vedação da caixa e da impermeabilidade do cristal de safira (o “vidro” que recobre o mostrador). Finalmente, o relógio é imerso em água até uma profundidade de 10 cm, e sobre ele é aplicada uma pressão que vai sendo aumentada gradualmente, conforme a expectativa de estanqueidade declarada pelo fabricante.

Voltando ao que eu disse no parágrafo de abertura, o cronógrafo é um recurso que permite a um relógio convencional medir a passagem do tempo durante períodos curtos ― como o tempo que um carro faz de 0 a 100 km/h, por exemplo ― com uma precisão que chega ao milésimo de segundo. Essa função é acionada e resetada através de botões, e o resultado das medições, nos modelos mais simples, é exibido pelo ponteiro dos segundos. Já os mais sofisticados contam com pequenos mostradores independentes e incluem acumuladores destinados a marcar também quantos minutos e/ou horas transcorreram desde o momento em que o cronógrafo foi acionado. Em qualquer caso, um toque no botão respectivo, ao final da medição, deve levar os ponteirinhos de volta à estaca zero, mas isso nem sempre acontece depois que a bateria do relógio é substituída. Mas isso é assunto para o próximo capítulo. Bom feriadão a todos e até lá.

Visite minhas comunidades na Rede .Link:
Postar um comentário