terça-feira, 26 de dezembro de 2017

COMO REMOVER APPS NATIVOS DO WINDOWS 10

CONFIE NO SEU INIMIGO. ELE É O ÚNICO QUE NUNCA TRAI.

As funções precípuas do sistema operacional são gerenciar o hardware do computador, disponibilizar uma interface de usuário e servir de plataforma para os demais aplicativos. Mesmo que a Microsoft tenha abastecido Windows com aplicativos “nativos” para as mais diversas funções, a gente sempre precisa de softwares de terceiros para executar boa parte das tarefas do dia a dia.  Mas convém instalar programas com parcimônia, pois toda adição resulta na ocupação de espaço no disco e no aumento do consumo de recursos do computador (memória RAM, ciclos de processamento, etc.).

Com a popularização da banda larga, os aplicativos migraram das lojas “físicas” ― onde eram vendidos primeiro em disquete, depois em mídia óptica ― para o universo dos downloads online. Mas não é por temos acesso a uma miríade de programinhas em versões Trial, Demo e Freeware (todas gratuitas, mas com propósitos distintos, como se pode conferir aqui) que devemos entupir a máquina com penduricalhos de utilidade duvidosa. Afinal, já basta o crapware (“inutilitários que os fabricantes de PCs invariavelmente pré-instalam para engordar suas receitas) para ocupar espaço e consumir recursos valiosos sem oferecer qualquer contrapartida de ordem prática.

Eliminar o entulho pré-instalado e, de tempos em tempos, os aplicativos que nós mesmos instalamos, mas que perderam a utilidade (se é que um dia a tiveram), não só é possível como enfaticamente recomendável. O problema são as sobras indesejáveis, que, com o passar do tempo, se acumulam a ponto de comprometer o desempenho e a estabilidade do sistema. Portanto, seja parcimonioso na hora de instalar programas e, sempre que for desinstalá-los, use ferramentas como o Revo Uninstaller ou o IObit Uninstaller ― que realizam uma varredura profunda e eliminam a maioria das pastas vazias, atalhos quebrados, entradas inválidas e outros restos que o desinstalador nativo do aplicativo e a ferramenta nativa do Windows costumam deixar para trás.

Nada do que foi dito até aqui é novidade para quem acompanha o Blog, visto que a remoção de aplicativos desnecessários ou nocivos já foi abordada ao longo das 3.200 postagens já publicadas. Mas o que a gente ainda não viu é como remover os apps nativos do Windows, que, em sua maioria, não trazem desinstalador nem figuram na lista de programas passíveis de remoção ― aquela que acessamos via Iniciar > Configurações > Aplicativos > Aplicativos e recursos. E é isso que veremos na próxima postagem. Até lá.

Visite minhas comunidades na Rede .Link:
Postar um comentário