domingo, 8 de outubro de 2017

DILMA PÕE EM CHEQUE NOSSA SANIDADE MENTAL

DILMA PÕE EM CHEQUE A SANIDADE MENTAL DA NAÇÃO

Tente entender alguma coisa do conjunto de frases reproduzido nas linhas que se seguem. Elas foram ditas exatamente como estão no texto abaixo, de uma enfiada só e pela mesma pessoa. Não há nenhum corte, nem mudança de palavras, nem acréscimo. O que se lê é o que foi dito.

Bom, eu estou vendo com, com, é, muita preocupação. Eu acho que o golpe que… um belo dia eles deram o golpe… nós sabemos as razões. E a chamada, é, u, né, o reino da selvageria. A gente tá vendo tudo isso… esse golpe tem desdobramento. Eu acho que um dos desdobramentos desse golpe é u… u… o juiz que vai julgar, de absurdos. Esse processo ele, ele tem também uma pessoa. Eles erraram de pessoa. Tem um erro de pessoa. Porque eles foram mexer com uma pessoa porque não lhes dão, não lhes dá a justiça do Power Point, ele, ele… o inocente.

Sim, a autora dessa oração é ela mesma, Dilma Rousseff, numa espécie de reunião-entrevista em torno do ex-presidente Lula, divulgada recentemente pela internet. A primeira reação é: e daí? Nada disso faz nenhum nexo, é claro, mas que importância pode ter mais esse angu de palavras, ruídos e nenhuma ideia? É só a Dilma falando de novo. Alguma vez foi diferente do que é agora? Não, mas a cada vez que ela aparece com uma performance do tipo transcrito acima, vai dando uma aflição cada vez maior na gente. Basta pensar dois minutos.

Durante cinco anos e meio, para não falar no que já vinha de antes, o Brasil viveu a ficção de que era presidido por uma pessoa basicamente normal. Meio atrapalhada, é óbvio, esquisitona, com uns apagões repentinos no caminho que vai dos circuitos cerebrais até a voz. Às vezes parecia engraçada ― não seria um número humorístico? Na maioria das vezes, quando falava em estoques de vento ou na conjugação da mandioca com o milho, a reação de quem ouvia era: “Travou. Surtou. Descolou da nave-mãe”. Mas fazia-se de conta, o tempo todo, que estava tudo bem.

Se isso é um comportamento normal por parte de uma presidente da República, então alguma coisa está profundamente errada com quem acha que não é. Dá o que pensar. E se Dilma estiver certa e todos os que não entendem coisa nenhuma do que ela diz estiverem errados? De quem é o desvario? O caso lembra a situação do dr. Simão Bacamarte, o herói de “O Alienista” de Machado de Assis. O bom doutor, como se sabe, acaba por colocar no hospício a população inteira de Itaguaí, por ter chegado à conclusão que todo mundo tinha ficado louco ― exceto ele próprio, o único apto a viver solto.

Estamos todos loucos e só Dilma está certa? Tudo é possível. Sempre vale a pena lembrar, em todo caso, que no fim da história o dr. Simão acaba aceitando a lógica das coisas e muda de ideia: manda soltar todo mundo, prende a si mesmo e passa a ser o único morador do hospício. (Por J.R. Guzzo).

A despeito do discurso oficial ser de martirização e de a militância atávica a apoiar, Dilma é vista por alas petistas como página virada, além de ser considera culpada pela derrocada do partido e um empecilho à volta de Lula (como se vê, ninguém é totalmente inútil). Nem o PT sabe o que fazer com o traste, que ora ocupa a presidência do conselho curador da Fundação Perseu Abramo e viaja mundo afora ― às nossas custas ― para defender a tresloucada tese de golpe de Estado que a defenestrou do Planalto.

Para sua sempre fiel escudeira Gleisi Hoffmann ― presidente nacional do PT, ex-ministra, ré no STF e eterna apoiadora do estrupício penabundado ― Dilma vai ter muito voto se resolver se candidatar, pois é uma grande liderança que encarna a injustiça contra o PT. Em conversas reservadas, porém, dirigentes do partido dizem que, se realmente disputasse uma cadeira no Senado ou na Câmara e fosse derrotada, a anta vermelha causaria ainda mais desgaste à legenda. Aliás, o próprio Lula, em recente peregrinação pelo Nordeste, apontou falhas na sua condução da política e da economia e disse que o “poste” poderia ter tomado a decisão de não se candidatar à reeleição.

Desse mal o PT não morre: Janete prefere viajar e desfrutar da “aprazível convivência com intelectuais e artistas" a voltar a morar em voltar a morar a Brasília e conviver com políticos que considera traidores. Mesmo assim, a admiradora confessa do E.T. de Varginha não perde a chance de ser patética. Dias atrás, com a indefectível “ética” bolivariana de quem sempre se aliou à escória, ao que existe de pior no mundo em termos de tirania, ela criticou a postura de Donald Trump ― que ameaçou destruir a Coreia do Norte se os EUA fossem atacados pelo “Rocket Man Pin-Pan-Pum”.

Na visão míope da perturbada, “com seu discurso de ódio, Trump põe em risco a humanidade” ― ou seja, o ditador pode praticar genocídios e disparar mísseis, mas uma “ameaça à humanidade” acontece quando alguém diz que vai reagir. Trocando em miúdos: a vergonha nacional que atende por Dilma deve achar que os massacres do tirano topetudo contra sua própria população e os ataques com mísseis sejam manifestações de “amor”. Que tome o primeiro avião para a Bessarábia ou para a Cochinchina ― e que fique por lá; se a passagem for só de ida, teremos o maior prazer em pagar. 

Visite minhas comunidades na Rede .Link:



Postar um comentário